Documento sem título
 
   
(11) 3326-6857
(11) 2849-1708
(11) 95321-0970
 
HOME
 
QUEM SOMOS
 
JURÍDICO
 
PARA ASSOCIADOS
 
SEDES
 
CONTATO
 
     
 
Documento sem título
 
ASSOCIADOS
Seja Associado
Benefícios
Parceiros
Contribuições
Convenções e Acordos
Em Ação (Galeria)
Notícias
Informativos
 
 
NotŪcia - Pagamento das verbas rescis√≥rias no prazo √© suficiente para afastar multa do artigo 477 da CLT
Pagamento das verbas rescisórias no prazo é suficiente para afastar multa do artigo 477 da CLT

O par√°grafo 8¬ļ do artigo 477 da CLT prev√™ a aplica√ß√£o de uma san√ß√£o pecuni√°ria ao empregador que n√£o paga as verbas rescis√≥rias nos prazos previstos no par√°grafo 6¬ļ do mesmo dispositivo. Mas o que vem a ser exatamente esse "pagamento" para fins de incid√™ncia da penalidade?

Em sua atuação na Vara do Trabalho de Ouro Preto, o juiz substituto Cláudio Luis Yuki Fuzino julgou uma reclamação envolvendo esse tema. Com base no Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT) juntado aos autos, devidamente assinado pela reclamante, bem como no comprovante de depósito bancário, o magistrado constatou que a trabalhadora recebeu do empregador as verbas rescisórias no prazo legal.

Para ele, isso é o quanto basta para se considerar cumprida a obrigação legal. "Eventual reconhecimento de diferenças de verbas rescisórias em juízo não autoriza o deferimento pleiteado. A mera ausência de homologação da rescisão contratual pelo sindicato da categoria profissional não enseja a aplicação da multa postulada", registrou nos fundamentos, ao julgar improcedente o pedido de pagamento da multa. A decisão transitou em julgado.

O entendimento adotado não é pacífico no meio jurídico. Isto porque há quem entenda que todos os atos envolvendo a rescisão devem ser realizados no prazo fixado pelo artigo 477. Os defensores dessa linha argumentam que o trabalhador somente poderá ter acesso ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e ao seguro desemprego, quando for o caso, com as guias pertinentes. Para esta corrente, a interpretação do dispositivo deve buscar o que pretendeu o legislador ordinário.

No √Ęmbito do TRT mineiro, a Comiss√£o de Uniformiza√ß√£o de Jurisprud√™ncia editou recentemente a Orienta√ß√£o Jurisprudencial 30 das Turmas do TRT-3¬™ Regi√£o. O entendimento que prevaleceu foi o mesmo esposado pelo juiz sentenciante. O texto ficou com a seguinte reda√ß√£o:

"30. MULTA DO ¬ß 8¬ļ DO ART. 477 DA CLT. FALTA DE QUITA√á√ÉO DAS VERBAS RESCIS√ďRIAS NO PRAZO LEGAL. CABIMENTO. A aplica√ß√£o da multa prevista no ¬ß 8¬ļ do art. 477 da CLT restringe-se √† falta de quita√ß√£o das verbas rescis√≥rias no prazo fixado pelo ¬ß 6¬ļ.".

O posicionamento levou em conta as reiteradas decis√Ķes do TST nesse sentido, baseando-se na vis√£o de que a previs√£o contida no dispositivo legal √© apenas de "pagamento". Al√©m disso, por se tratar de cl√°usula penal a interpreta√ß√£o extensiva n√£o √© cab√≠vel. Sendo assim, o atraso limitado ao cumprimento de obriga√ß√Ķes n√£o atrai a penalidade.

(n¬ļ 01009-2014-069-03-00-6)

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho - 3ª Região
 
     
Documento sem título
 
Sede Social - São Paulo:

Avenida Casper Libero, 383 - 13ª Andar - Sala 13C
Santa Efigênia - São Paulo/SP

Tel.: (11) 3326-6857 / 2849-1708

e-mail: diretoria@sindomestica.com.br
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados