Documento sem título
 
   
(11) 3326-6857
(11) 2849-1708
(11) 95321-0970
 
HOME
 
QUEM SOMOS
 
JURÍDICO
 
PARA ASSOCIADOS
 
SEDES
 
CONTATO
 
     
 
Documento sem título
 
ASSOCIADOS
Seja Associado
Benefícios
Parceiros
Contribuições
Convenções e Acordos
Em Ação (Galeria)
Notícias
Informativos
 
 
Notícia - 07/01/2016 -Como agir nos casos de falecimento do empregado doméstico ou do patrão
07/01/2016 -Como agir nos casos de falecimento do empregado doméstico ou do patrão

Fatalidades como o falecimento do patrão ou do empregado estão entre os motivos que obrigam ao encerramento do contrato de trabalho. Esta é uma situação que atinge com mais frequência aos cuidadores de idosos, enfermeiras particulares e também empregadores que mantem a mesma empregada ao longo de décadas. Apesar da causa do encerramento do vínculo empregatício ser a mesma, a morte de uma das partes, os procedimentos variam de caso para caso.

Falecimento do empregado

Quando o empregado morre é como se ele tivesse pedido demissão do emprego. Sendo assim, a família do falecido terá direito a receber o proporcional de férias, do décimo terceiro e do salário. Caso exista algum empréstimo ou adiantamento em aberto concedido pelo patrão que tenha sido documentado e assinado por ambas as partes, então o débito poderá ser abatido da rescisão.

Caso o empregador tenha optado por depositar o FGTS, a família do empregado terá direito a sacar o saldo existente. Para isso, os familiares precisarão levar o documento de rescisão do contrato de trabalho junto com o atestado de óbito ao INSS para comprovar a morte e posteriormente comparecer à Caixa Econômica Federal para efetuar o saque.

Falecimento do patrão

Quando quem morre é o patrão, a família tem a opção de manter o empregado trabalhando na casa. Mas se a opção for pela rescisão, ela acontece como se o empregado tivesse sido demitido, sem justa causa. Portanto, a família, mesmo que não resida na casa aonde os serviços eram prestados, deverá arcar com os valores da rescisão: proporcional de férias, do décimo terceiro, do salário e aviso prévio. Se o patrão tiver optado pelo depósito do FGTS, a família também deverá creditar a multa de 40% sobre o saldo existente. No caso de o empregador não possuir nenhum herdeiro que possa assumir estas despesas, o empregado deverá acionar a justiça solicitando o pagamento por meio dos bens deixados. Mas se não houver bens em nome do falecido e nenhum familiar vivo os valores não serão recebidos pelo empregado.

Fonte: Blog Doméstica Legal
 
     
Documento sem título
 
Sede Social - São Paulo:

Avenida Casper Libero, 383 - 13ª Andar - Sala 13C
Santa Efigênia - São Paulo/SP

Tel.: (11) 3326-6857 / 2849-1708

e-mail: diretoria@sindomestica.com.br
 
2014 Copyright © Todos os direitos reservados